segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Resumão: Crase

Entenda o fenômeno que assusta muita gente: CRASE. Quando usar? Quando não usar? Quando será opcional? Acompanhe o resumão abaixo e depois teste seus conhecimentos.


Clique com o botão esquerdo do mouse sobre a imagem para ampliá-la.




1 - Q194424 ( Prova: MS CONCURSOS - 2010 - IPAS-GO - Auditor Médico - Cardiologia / Português / Crase; )
Assinale a alternativa correta:

I – “ um modelo de atenção adequado em relação às normas de acesso, diagnóstico, tratamento e reabilitação” .



a) Na oração exposta na proposição I,
explica-­se o uso da crase por obediência às regras de concordância nominal ao adequar a referência do substantivo “relação” ao seu complemento nominal “normas”.
b) Na oração exposta na proposição I,
explica-­se o uso da crase por obediência às regras de concordância verbal ao adequar a referência do substantivo “relação” ao seu complemento nominal “normas”.
c) Na oração exposta na proposição I,
explica-­se o uso da crase por obediência às regras de regência nominal ao adequar a referência do adjunto adverbial transitivo “em relação” ao seu complemento nominal “normas”.
d) Na oração exposta na proposição I,
explica-se o uso da crase por obediência às regras de regência verbal ao adequar a referência do adjunto adverbial transitivo “em relação” ao seu complemento verbal “normas”.




2 - Q192243 ( Prova: NCE-UFRJ - 2007 - MPE-RJ - Analista - Processual / Português / Crase; Acentuação gráfica; )




Assim como está adequado o emprego de À antes de "responsabilidade" (L 42), também está correto o uso do acento de crase em:



a) Solicitei à V.Sª a observância deste dispositivo;
b) Fomos chamados à prestigiar a solenidade à toa;
c) Para evitar à fraude, assinarei as carteiras à mão;
d) Compram comida à quilo e querem comer à jato;
e) À uma hora, assistiremos à chegada do novo chefe.




3 - Q108413 ( Prova: FUNCAB - 2010 - SEJUS-RO - Analista de Sistemas / Português / Crase; )
Leia o texto abaixo e responda às questões
propostas.

Texto:

Por que temos a sensação de que, em
nosso País, há impunidade? Existem muitas
respostas para essa pergunta, mas nos
cingiremos a uma delas: o fato de que, atualmente,
a liberdade é regra e a prisão exceção.
Todas as nossas leis penais e processuais
penais partem dessa premissa. A constrição da
liberdade somente tem lugar quando há grave
violação ao pacto social, por sermedida extrema e
demasiadamente aflitiva.
Mas nem sempre foi assim. A História é
pródiga em nos mostrar como o valor liberdade,
tão eclipsado em determinados períodos, cresceu
e foi, aos poucos, reconhecido como inerente à
condição humana, tendo ampliado seus vetores
para outras direções e deixado de ser protegido
apenas quanto ao aspecto da liberdade de ir e vir.
Com efeito, é por uma razão de ordem
existencial – o ideal do homem livre – e não
jurídica, que nossas leis primam pela utilização da
prisão como último recurso. Assim, apenas em
modalidades estritamente previstas em lei, o
Estado, e somente o Estado, pode impor a pena
das penas: o cárcere.
Beccaria chegou a afirmar que “um roubo
praticado semuso de violência apenas deveria ser
punido com uma pena em dinheiro. É justo que
aquele que rouba o bemde outremseja despojado
do seu.”Mas reconheceu a dificuldade damedida:
“Contudo, se o roubo é comumente o crime da
miséria e da aflição, se esse crime apenas é
praticado por essa classe de homens infelizes,
para os quais o direito de propriedade (direito
terrível e talvez desnecessário) apenas deixou a
vida como único bem, as penas em dinheiro
contribuirão tão-somente para aumentar os
roubos, fazendo crescer o número de mendigos,
tirando o pão a uma família inocente para dá-lo a
umrico talvez criminoso.”
O nosso legislador, por uma questão de
política criminal certamente não inspirada em
Beccaria, apenou o crime de roubo coma privação
de liberdade. Mas para que uma pessoa seja
presa por isso, deverá ser, antes de tudo,
submetida a umdevido processo legal.
Trata-se da prisão decorrente de sentença
penal condenatória. Esta modalidade de prisão é
factível quando, após um processo regular e
válido, com ampla defesa e contraditório, a
autoridade judicial, devidamente investida em seu cargo, condena um indivíduo por um crime cuja
pena cominada seja privativa de liberdade.
Ainda assim, a efetiva prisão somente será
possível quando o processo transitar em julgado,
ou seja, quando não couber mais recurso da
decisão. Isso porque, em nosso País, seguindo a
esteira processualista mais moderna, não há
necessidade de recolhimento ao cárcere para
apelar, em virtude do princípio constitucional da
presunção da inocência.
Uma vez decretada a procedência da
acusação, ou seja, tendo o Estado reconhecido a
justa causa para a pretensão punitiva através de
uma sentença condenatória, dá-se início ao
cumprimento da pena, com seus diferentes
regimes.
Em suma, esta é a prisão que se justifica
pelo cometimento de um crime, cuja autoria e
ma t e r i a l i d a d e r e s t a r am d e v i d ame n t e
comprovadas por meio de um processo judicial
j u s t o .

( A R A G Ã O , D a p h n e P o l i s e l . I n :
http://curiofisica.com.br/index.php/direito/processual-
penal/prisao-e-liberdade-i-2#more-2377)



A autora não coloca acento grave no “a” de “mas nos cingiremos a uma delas” (parágrafo 1), do mesmo modo que o evitaria se, em vez de “a uma delas”, houvesse escrito:



a) a principal.
b) a esta.
c) a que interessa no momento.
d) a de ordem social.
e) a seguinte.




4 - Q168366 ( Prova: CESPE - 2007 - TRE-AP - Técnico Judiciário - Programação de Sistemas / Português / Concordância nominal e verbal; Crase; Regência nominal e verbal; Emprego dos tempos e modos verbais; )
Em cada uma das opções a seguir, é apresentada uma adaptação de um trecho de texto. Assinale a opção em que o trecho adaptado está gramaticalmente correto.




a) O voto materialisa às nossas concepções e maturidades, é resultante do trato que queremos dar ao futuro da nação.

b) O arrependimento de cada eleitor é lícito, mas a teimosia alienada que esquece os desvios de conduta dos representantes é imperdoável e inconseqüente.

c) Sabe-se de que fica muito fácil apontar aos políticos, ou a elite dominante, como quem não tira o país das constantes crises de confiança.

d) É hora de pensar-mos no voto não só a caminho da zona eleitoral, mas sempre, deixando de lado os que enquadram a política no campo do imponderável.

e) Cada vez mais os jovens são parte importante para à democracia e para à soberania nacional.




5 - Q168372 ( Prova: CESPE - 2007 - TRE-AP - Técnico Judiciário - Programação de Sistemas / Português / Concordância nominal e verbal; Crase; Pontuação; Regência nominal e verbal; Emprego dos tempos e modos verbais; )
Em cada opção a seguir, é apresentada uma adaptação de um trecho de texto. Assinale a opção em que o trecho adaptado está gramaticalmente correto.




a) Será que nos processos de cassação votar em aberto poderiam mudar o destino dos acusados?

b) O voto em aberto não mudaria o resultado final; mas, sim, a responsabilidade individual.

c) Com referência a votação aberta, o eleitor é responsável pelo seu voto; votando sim, ou não, ele admite à responsabilidade pelo voto dado.

d) Votos fechados, em se tratando de processos de cassação, acarreta responsabilidade difusa, pois ninguém sabe quem votou em quem. Assim todo o eleitorado carregam o ônus do resultado da votação.

e) A adoção para o voto fechado é muito ruim, assim como a própria instituição, porque sai perdendo.




6 - Q118266 ( Prova: CONSULPLAN - 2010 - Prefeitura de Campo Verde - MT - Contador / Português / Crase; )
A bola e o livro

A má distribuição de renda no país, os megapatrocínios, a idolatria constante na nossa cultura fazem surgir pessoas
despreparadas para o uso de tanto dinheiro, enquanto escolas despencam, hospitais deixam de atender ao mais simples
diagnóstico, aposentados choram pelo minguado aumento. Até quando isto vai continuar? A sociedade já não suporta ver
estes “ídolos” na mídia. Por que os salários não são igualitários? Por que se concedem altos aumentos na política? Por
que alguns artistas ganham a peso de ouro? Por que jogadores ganham tanto dinheiro e poder sem ter ficado nos bancos
escolares? Por que tanto interesse das empresas em patrocinar estes jogadores? Será que uma bola é mais valiosa que um
livro? (>Maria Marta Nascimento Cardoso – Rio In Carta dos Leitores, O Globo 11/07/2010)



Houve desrespeito à norma culta quanto ao uso do acento indicador da crase em:



a) A má distribuição de renda no país é prejudicial à muitas pessoas que trabalham.
b) A população não aguenta assistir, na mídia, à apresentação de certos ídolos.
c) Por que se concedem altos salários àqueles que têm cargos políticos?
d) A imprensa informa à população o esquema de corrupção que envolve pessoas de destaque na sociedade.
e) Por que, neste país, dá-se mais valor à bola?




7 - Q166414 ( Prova: TJ-SC - 2009 - TJ-SC - Analista Jurídico / Português / Crase; )
Observe o uso dos termos grifados nos períodos abaixo:

I. Seu Silva, testemunha arrolada pelo autor e ouvida como informante do juízo, a duas perguntas respondeu.

II. Seu Silva, testemunha arrolada pelo autor, respondeu firme às duas perguntas formuladas pelo juiz.

III. Seu Silva, testemunha ouvida como informante do juízo, à perguntas respondeu.

IV. Providencie-se a execução da pena pecuniária e oficie-se à Justiça Eleitoral.

V. O país inteiro viu as imagens trágicas e desesperadoras que remetiam principalmente à nossa região Sul, mais precisamente ainda a Santa Catarina.



a) Estão corretas somente as proposições III, IV e V.
b) Estão corretas somente as proposições I, II e V.
c) Estão corretas somente as proposições I, II, IV e V.
d) Estão corretas somente as proposições I, II, III e IV.
e) Todas as proposições estão corretas.




8 - Q177208 ( Prova: FESMIP-BA - 2011 - MPE-BA - Analista de Sistemas / Português / Crase; Sintaxe da oração e do período; Acentuação gráfica; )


“Assim, cabe frisar que reconhecer a importância da educação na existência da humanidade é dar valor àquilo que consideramos como nossa própria descendência cultural.” (linhas de 21 e 22)

A análise do período em evidência permite considerar como verdadeiro o que se afirma em


a) A expressão “Cabe frisar” forma uma locução verbal, uma vez que o verbo no infinitivo não pode ser desdobrado em uma oração com a presença de um conectivo.
b) A primeira oração das que se iniciam pelo conector “que” mantém, nesse contexto, relação sintática tão somente com “frisar” e equivale a um adjetivo.
c) Os termos “da educação” e “da humanidade” exercem a mesma função sintática, o que, em outras palavras, significa dizer que ambos restringem o sentido do vocábulo a que se ligam.
d) O sinal indicativo de crase, no caso do termo “àquilo”, está constituindo uma falha de ordem gramatical, pois só se usa crase diante de palavras femininas.
e) Os vocábulos “próprio” e “descendência” são acentuados por diferentes razões.




9 - Q91867 ( Prova: ESAF - 2010 - CVM - Analista de TIC - Infraestrutura - prova 1 / Português / Crase; Flexão nominal e verbal; Ortografia e Semântica; Pontuação; Coesão e coerência; Emprego dos tempos e modos verbais; )




Assinale a opção correta a respeito do uso das estruturas linguísticas no texto.



a) Por integrar um termo que complementa “combater”(l.4), o artigo em “a formação”(l.4) poderia receber o sinal indicativo de crase, o que indicaria a inserção da preposição a no texto.
b) Apesar da extensão do período sintático, a inserção de uma vírgula depois de “estrangeiros”(l.6) provocaria erro gramatical e incoerência textual.
c) Como a expressão “imposto de operações ?nanceiras”(l.10 e 11) está escrita, no texto, com iniciais minúsculas, sua sigla também deveria ser grafada com letras minúsculas para atender às regras de ortogra?a.
d) O uso do modo subjuntivo em “sejam”(l.21) ressalta a ideia de uma hipótese, uma possibilidade; para se fazer uma afirmação, o desenvolvimento textual admitiria a forma de indicativo: são ou serão.
e) Preserva-se a coerência entre os argumentos e a correção gramatical do texto ao usar o verbo existir em lugar de “haver”(l.20), desde que se faça a concordância adequada, escrevendo pode existirem circunstâncias.




10 - Q176984 ( Prova: FCC - 2011 - Banco do Brasil - Escriturário - Ed. 03 / Português / Crase; )


Com o inchaço populacional decorrente do fluxo migratório em direção ...... cidades, surgiram problemas na oferta de serviços ...... população, que muitas vezes não consegue acesso ...... recursos essenciais.

As lacunas da frase acima são corretamente preenchidas, respectivamente, por:


a) às - à - à
b) às - à - a
c) as - a - à
d) as - à - a
e) às - a - à






--------------------------------------------------------------------------------

GABARITOS:

1 - C 2 - E 3 - B 4 - B 5 - B 6 - A 7 - C 8 - C 9 - D 10 - B


--------------------------------------------------------------------------------

Nenhum comentário:

Postar um comentário